dinamica@dinamicasp.com.br - http://www.dinamicasp.com.br - (11) 2225-8800 - Celular / WhatsApp: 9 7133-1536 - Rua Dr. Alarico Silveira, 378 - São Paulo/SP - Cep.: 03502-040



sexta-feira, 16 de julho de 2010

O Setor hoteleiro e o Mundial de 2014.

Estudos apontam grandes investimentos para o período de 2010 a 2014 passando por telecom, sistemas e capacitação profissional, principalmente voltados para o setor hoteleiro.
A Copa do Mundo em 2014 e a Olimpíada em 2016, são fatores que farão com que o mercado interno se torne um pólo de atenção global para diversos tipos de atividade em especial para o setor hoteleiro. Sabendo disso as empresas de telecomunicações também vêm se aperfeiçoando e investindo para ampliar seus serviços e quadro de funcionários, a fim de atender a demanda gerada pelo mundial de 2014.Uma boa amostra do que virá para os próximos 4 anos apareceram nos números do ultimo semestre de 2010, as empresas de telecomunicações tiveram um crescimento significativo de vendas de equipamentos de telefonia e de serviços para ampliação e manutenção de redes, em especial para hotéis, pousadas, e restaurantes do Rio de Janeiro, Minas Gerais e de São Paulo.
Segundo empresários da área de Telecomunicações, as empresas que atendem a esse mercado terão um grande desafio, que é atender o setor hoteleiro. Esse setor em sua maioria tem sistemas de telefonia muito antigos e defasados, criando a necessidade de sistemas mais modernos, dinâmicos, e inteligentes.
Em estudo realizado, estima-se que serão investidos R$ 30 bilhões no País para a recepção do evento, valor que envolve estádios, urbanização, tecnologia, entre outros pontos. Essa geração de receita está compreendida ao longo de quatro anos, entre 2010 e 2014, e contempla, por exemplo, movimentação de turistas, consumo de telecom, entre outros.
O estudo não traz um investimento específico em tecnologia, mas alguns dados revelam que não será pouco. Grandes investimentos partirão das operadoras de telefonia móvel e fixa, garantindo que não haja falha de comunicação de dados e voz para o evento, porém, são as empresas que oferecem serviços de telefonia que farão a grande diferença, a mão de obra em passagem de cabeamento, programação de Pabx, tarifação, software hoteleiros, e serviços em geral, serão as vedetes da vez. Poucas empresas nesse setor oferecem serviços de qualidade, e as que têm capacidade e qualificação, já estão a todo vapor para garantir que seus clientes estejam prontos para receber o mundo em 2014.
As empresas que anteciparem seus investimentos garantindo redes de voz e dados de qualidade para seus clientes, certamente não terão do que se arrepender no futuro. É previsível que pouco antes do mundial uma explosão de necessidades voltadas para essa área aconteça, e poucas empresas de telefonia estarão prontas para atender essa demanda assim como afirmou o Sr. Deyvi nessa entrevista.

O Setor hoteleiro deve se antecipar para o Mundial de 2014

Estudos apontam grandes investimentos para o período de 2010 a 2014 passando por telecom, sistemas e capacitação profissional, principalmente voltados para o setor hoteleiro. A Copa do Mundo em 2014 e a Olimpíada em 2016, são fatores que farão com que o mercado interno se torne um pólo de atenção global para diversos tipos de atividade em especial para o setor hoteleiro. Sabendo disso as empresas de telecomunicações também vêm se aperfeiçoando e investindo para ampliar seus serviços e quadro de funcionários, a fim de atender a demanda gerada pelo mundial de 2014.Uma boa amostra do que virá para os próximos 4 anos apareceram nos números do ultimo semestre de 2010, as empresas de telecomunicações tiveram um crescimento significativo de vendas de equipamentos de telefonia e de serviços para ampliação e manutenção de redes, em especial para hotéis, pousadas, e restaurantes do Rio de Janeiro, Minas Gerais e de São Paulo.

Segundo Deyvi Bridi empresário da área de Telecomunicações, as empresas que atendem a esse mercado terão um grande desafio, que é atender o setor hoteleiro. Esse setor em sua maioria tem sistemas de telefonia muito antigos e defasados, criando a necessidade de sistemas mais modernos, dinâmicos, e inteligentes.

Em estudo realizado, estima-se que serão investidos R$ 30 bilhões no País para a recepção do evento, valor que envolve estádios, urbanização, tecnologia, entre outros pontos. Essa geração de receita está compreendida ao longo de quatro anos, entre 2010 e 2014, e contempla, por exemplo, movimentação de turistas, consumo de telecom, entre outros.

O estudo não traz um investimento específico em tecnologia, mas alguns dados revelam que não será pouco. Grandes investimentos partirão das operadoras de telefonia móvel e fixa, garantindo que não haja falha de comunicação de dados e voz para o evento, porém, são as empresas que oferecem serviços de telefonia que farão a grande diferença, a mão de obra em passagem de cabeamento, programação de Pabx, tarifação, software hoteleiros, e serviços em geral, serão as vedetes da vez. Poucas empresas nesse setor oferecem serviços de qualidade, e as que têm capacidade e qualificação, já estão a todo vapor para garantir que seus clientes estejam prontos para receber o mundo em 2014.

As empresas que anteciparem seus investimentos garantindo redes de voz e dados de qualidade para seus clientes, certamente não terão do que se arrepender no futuro. É previsível que pouco antes do mundial uma explosão de necessidades voltadas para essa área aconteça, e poucas empresas de telefonia estarão prontas para atender essa demanda, assim como afirmou o Sr. Deyvi nessa entrevista.